ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Curva de aprendizado na medida do ângulo facial frontomaxillary fetal entre 11-13 semanas de gestação.

Curva de aprendizado na medida do ângulo facial frontomaxillary fetal entre 11-13 semanas de gestação.



OBJETIVO:
Para determinar o número de exames de ultra-som necessários para treinar sonographers para medir com precisão o ângulo fetal frontomaxillary facial (FMF) na semana 11-13 de gestação.
MÉTODOS:
Oito sonographers credenciados para medida da translucência nucal de espessura (NT) (e com diferentes níveis de experiência) foram treinados para medir o ângulo FMF fetal utilizando especialmente adquirido volumes tridimensionais (3D). Formação foi fornecido em ciclos, e cada ciclo consistiu de um período de formação em 20 casos sorteados seguido de um exame usando 10 casos seleccionados aleatoriamente. Durante o treinamento, o ultra-sonografista foi informado do valor real ângulo FMF após cada medição do ângulo FMF numa base caso-a-caso. Durante o exame, a diferença entre a medida e os valores verdadeiros do ângulo FMF (isto é, o ângulo de delta) foi calculado. A medida foi considerada verdadeira se o ângulo delta foi inferior a 5 graus. O ultra-sonografista foi considerado competente e terminar o treinamento, se todos os 10 casos de exame satisfeito este critério. Caso contrário, o ultra-sonografista sofrerá novos ciclos de treinamento-exame, até que ele / ela se tornou competente.
RESULTADOS:
O número de casos de treinamento necessários para uma sonographer a tornar-se competente foi de 40 por dois ultrassonografistas, 60, 80 para um para um, 100 para dois, 120 e 140 para um para um, com uma mediana de 90. O número mediano de casos falhados reduzido de 2,5 (em 10) no primeiro ciclo, em 0 pelo ciclo de 7 (th). Como ciclos de formação aumentaram, o desvio angular média e tempo de medição exigido tanto reduzido significativamente. O ângulo delta médio do ciclo de exame de passagem foi 2,06 + / - 1,40 graus. O número de casos de treinamento necessárias para se tornar competente na FMF medição do ângulo foi de 40 para os dois a maioria dos estagiários experientes e 80, 120 e 140 para o mínimo de três mais experientes.
CONCLUSÕES:
Nós demonstramos que a competência de medição do ângulo de FMF foi alcançado depois de um número médio de 90 casos, com um intervalo de até 140. O número necessário era substancialmente menor, em 40 casos, entre aqueles com vasta experiência de medição NT.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=Learning%20curve%20in%20measurement%20of%20fetal%20frontomaxillary-facial%20angle%20at%2011%20(%2B0)%20to%2013(%2B6)%20weeks%20of%20gestation

VEJA TAMBÉM:

  • Estratégias práticas de triagem sequencial contingente de síndrome de Down.
  • Triagem Aneuploidia: uma declaração de posição de uma comissão em nome do Conselho de Administração da Sociedade Internacional de Diagnóstico Pré-Natal, janeiro de 2011.


  • Texto Original



    OBJECTIVE:
    To determine the number of ultrasound examinations required to train sonographers to accurately measure the fetal frontomaxillary facial (FMF) angle at 11-13 weeks of gestation.
    METHODS:
    Eight sonographers accredited for nuchal translucency thickness (NT) measurement (and with different levels of experience) were trained to measure the fetal FMF angle using specially acquired three-dimensional (3D) volumes. Training was provided in cycles, and each cycle consisted of a training period on 20 randomly selected cases followed by an examination using 10 randomly selected cases. During training, the sonographer was informed of the true FMF angle value after each FMF angle measurement on a case-by-case basis. During examination, the difference between the measured and the true values of the FMF angle (i.e. the delta angle) was calculated. A measurement was considered accurate if the delta angle was less than 5 degrees . The sonographer was considered to be competent and the training finished if all 10 examination cases satisfied this criterion. Otherwise, the sonographer would undergo further cycles of training-examination, until he/she became competent.
    RESULTS:
    The number of training cases required for a sonographer to become competent was 40 for two sonographers, 60 for one, 80 for one, 100 for two, 120 for one and 140 for one, with a median of 90. The median number of failed cases reduced from 2.5 (out of 10) at the first cycle to 0 by the 7(th) cycle. As training cycles increased, the mean angle deviation and measurement time required both reduced significantly. The average delta angle of the passing examination cycle was 2.06 +/- 1.40 degrees . The number of training cases required to become competent in FMF angle measurement was 40 for the two most experienced trainees and 80, 120 and 140 for the three least experienced ones.
    CONCLUSIONS:
    We have demonstrated that competence in FMF angle measurement was achieved after a median number of 90 cases, with a range of up to 140. The number required was substantially lower, at 40 cases, among those with extensive experience of NT measurement.


    VEJA TAMBÉM:

  • O sono REM e a apneia do sono estão associados à função da linguagem em crianças comsíndrome de Down : uma análise de uma amostra da comunidade
  • Comparação entre ultrassonografia e tomografia computadorizada de feixe cônico para exame do nível ósseo alveolar: uma revisão sistemática